off
Editorial, Estado, Política — 19 Agosto, 2020 at 8:51 a.m.

Os 70 lambe-cús-reais

by

O manifesto ocorre 24 horas depois de se saber que João Carlos I , que fugiu da Espanha há duas semanas quando estava sendo investigado judicialmente, perseguido por informações sobre seu negócio na Arábia Saudita, está nos Emirados Árabes Unidos*.

O documento – assinado entre outros pelos exministros do PSOE Alfonso Guerra(renunciou pela corrupção de seu irmão), Celestino Corbacho e Matilde Fernández ou o ex-alcalde da Corunha e ex-embaixador Francisco Vázquez; quanto aos representantes do PP, estão ex-ministros como Jaime Mayor Oreja, Josep Piqué (está sendo investigado por tráfico de influência e prevaricação), Eduardo Serra, Pío Cabanillas, Rafael Catalá (a ser investigado por incompatibilidades), José Ignacio Wert e  Ana Pastor; e ex-presidentes autonómicos de Castela e Leão Juan Vicente Herrera, a Comunidade de Madrid Esperanza Aguirre (investigada na Púnica) e Aragão Luisa Fernanda Rudi , mas também a Soledad Becerril, ex-ministra de Adolfo Suárez e  ministra do PP e o também ministro franquista e empresario Rodolfo Martín Villa (Chefe Nacional do Sindicato Español Universitario (SEU), secretario geral da Organización Sindical o governador civil de Barcelona, procurador nas Cortes franquistas, ministro da UCD e ainda comisionado do Governo espanhol para o desastre do Prestige o ano 2002 e procurado pela justiça argentina por “delitos de homicidio agravado”) a  enfatizar que “a monarquia parlamentar, assim como toda a Constituição de 1978, levaram a uma Espanha moderna, com um avançado sistema político, econômico e social forjado na liberdade, justiça e solidariedade”.

“Os numerosos relatórios que aparecem hoje em dia sobre certas atividades do rei João Carlos I têm suscitado uma proliferação de condenações sem o devido respeito pela presunção de inocência. a obra do rei D. Juan Carlos em benefício da democracia e da Nação, sob pena de uma ingratidão social que nada de bom prenunciaria da sociedade espanhola como um todo ”, sustentam. É difícil defender a presunção de inocência de alguém que por  40 anos foi irresponsável perante os tribunais, e de quem só agora se discute se seus crimes foram prescritos ou não, ou se ainda gozam de inviolabilidade perante os tribunais por não serem um rei ativo.

 

Não é muito difícil perceber que a crise do emérito e do joancarlismo é também a crise da Coroa, da Monarquia e até do Estado e da transição de 1978 .Porém, essa encenação política superficial dos abaixo-assinado faz parte dos novos cosméticos para que o cerne do sistema não mude.

 

Todos esses personagens (verdadeiro auto-apoio entre iguaisa, maioria deles imputados ou investigados) têm uma coisa em comum, são oportunistas na política (basta verificar as portas giratórias: de Franco à democracia,do republicanismo ao juancarlismo, da política aos negócios). Lambe cús reais. Eis a real realidade: em cada corte sempre houve  encarregados de limpar o cú do monarca. O que trouxe não poucos benefícios cortesanos a quem se valer de acaídas adulações. A posição implicava estar bem preparado com toalhas, bacias e uma cadeira especial para a “tarefa” onde depositava seus depoimentos régios. Sem dúvida, um trabalho que exigiu estar sempre preparado e uma dedicação exclusiva. Como aquele John Stuart que chegou a primeiro-ministro britânico, alguns desses moços limpa cús se tornaram secretários pessoais do monarca.

As notícias sobre o emérito continuam a incomodar os meios de comunicação de Madrid. Ainda mais do que o Estado pagar  pela segurança do fugitivo e que o governo mais progressista da historia se recuse a abolir o crime de insultar a Coroa. Além disso, talvez sejam os lambedores de cús  o melhor sintoma do que está acontecendo já que o anho expiatório sempre foi sacrificado para proteção divina e para acadar se calhar maior ganho e apoio.  “Nunca se podrá borrar su labor”, diz Martín Villa. Mais uma vez, a corte das lambidas prestando homenagem. Porque limpar a  real merda implicava ser um fiador, palrador e conversador habilidoso nesses momentos de intimidade. Sem dúvida, um trabalho que exigiu sempre uma dedicação exclusiva e estar sempre preparado.Na verdade, eles estão justificando décadas de lavative.Porque os reais cús para salvar são seus.

Transição com eleições livres?

Bem não. Muitos não puderam comparecer porque era ilegal. O resultado das eleições de 1977 que definiria as Cortes que deviam estudar e aprovar a constituição, e com as formações que exigiam a república – o regime democrático existente antes da longa noite de pedra ditatorial – fora das negociações, a permanência do sucessor do chefe de estado de Franco estava assegurada , Juan Carlos I. Sob o pretexto de “ser contrário à forma de Estado”, o Ministério do Interior chefiado pelo o abaixo assinado Rodolfo Martín Villa -que agora é chamado a ser acusado no processo penal contra o franquismo na Argentina- encerrou suas aspirações de partidos como Izquierda Republicana, Esquerra Republicana de Catalunya e Acción Republicana Democrática Española para participar do processo político que definiria o futuro do estado. Em março de 78, a Assembleia Nacional do Povo Galego foi legalizada. No final desse mesmo mês, a UPG  ainda não tinha sido legalizada.

Os órgãos do poder continuam a ser os herdeiros de 18 de julho de 1936 e os formalmente ditos democráticos grávidos de corrupção e nepotismo. As democracias não apenas formalmente constituídas o sentido do serviço público e da justiça democrática prevenir o nepotismo e a corrupção. O Rei, o velho, o novo e todo esse bando de fagueiros pronto para pegar a bacia viveram sua fase política como se a democracia tivesse sido ganha e  só conseguem traçar o gesto de clareamento,  atribuir-lhe um papel taumatúrgico na transição quando os historiadores mais credenciados e independentes apontam exatamente na direção oposta.

 

*O relatório da Amnistia Internacional sobre os Emirados Árabes Unidos afirma: “As autoridades, em particular a Agência de Segurança do Estado, sujeitaram os detidos, alguns deles estrangeiros, a detenção arbitrária, tortura e desaparecimento forçado.”. Além disso, um bom cliente do armamento espanhol. 1.060 milhões de dinheiro exportado em 7 anos, apesar de organizações internacionais denunciarem que usa armas para cometer crimes de guerra na região

Grazas por leres e colaborares co Ollaparo !

Este sitio emprega Akismet para reducir o spam. Aprende como se procesan os datos dos teus comentarios.

off
A %d blogueros les gusta esto: