off
Editorial, Estado — 5 Maio, 2020 at 9:46 a.m.

Podemos, PSOE e a constante de aberração

by

Na astronomia a constante de aberração é a diferença máxima entre a posição observada e a posição real de uma estrela, cuja explicação definitiva foi dada por Einstein em sua teoria da relatividade especial.A posição real e o local aparente, eis a chave.

Uma das constantes da chamada Transição é que o PSOE entra fraco, enquanto à sua esquerda existem forças mais sobranceiras, punidas e reprimidas por quarenta anos de franquismo. Mas desde então, esse grupo de jovens nacionalistas espanhóis – na definição do New York Times – que liderou o PSOE tem a capacidade, habelencia, apoio e recursos necessários para engolir, subordinar ou desativar qualquer dissidência relevante à sua esquerda, como para integrá-la ao caminho constitucional dado pela mão de Franco.Talvez essa seja sua principal contribuição, a real, o seu próprio movimento e jogada.

 Somente nalgum momento eles encontraram a resistência corpuscular nalguns setores no territorio  ou de maneira mais ou menos veemente ainda que nominal, mas sabendo como vencê-la com eficácia admirável.

Contudo, de todas as operações de desativação, satelização ou fagocitização que o PSOE realiza desde o início da Transição, a mais rápida, mais organizada e eficaz tem sido a de Podemos e suas confluências mareantes. Que inclui restrições de direitos fundamentais e recente centralização de poderes, esvaziando as CCAA. Certamente, o coronavírus ajudou. Se não conseguir imunizar, deixe-se infectar. E pela via rápida.

O apelo ao “estado de alarme” nada contribuiu para o que a lei da saúde já fornece no seu artigo 3º de medidas oportunadas en caso de risco de doenças de trasmissão ( permete a limitação de direitos fundamentais). No entanto, eles decidiram se opor, com a declaração do “estado de alarme”, às autoridades autonómicas que são competentes para essas situações. Mas o fato é que esta declaração não contribui com nada que ainda não esteja na lei.Trata-se de adicionar elementos que vão além do necessário para combater a própria pandemia. Na Alemanha dos landers, eles não precisavam disso.No entanto, segundo sentença dos controladores de tráfego aéreo, na España não se pode fazer uma restrição geral de direitos.Havia legislação suficiente, mas o governo “enfaticamente progressista” não optou pelo modelo alemão, isto é, a territorialização da resposta de acordo com o que o estado das autonomias prescreve e, mesmo se as necessidades epidêmicas exigissem uma restrição de confinamento, como já foi feito,  deveram ter apelado ao estado de exceção.

Não foi assim, e isso tem consequências, maior limitação dos direitos fundamentais do que seria necessário, incluindo militarização desnecessária e recentralização e subordinação ao governo central.Mas não era isso o procurava Sánchez e cia.? Assim, tudo fica mais escondido, não é? Disfarçado  estado de exceção, mas declarado como um alarme para manter almejadas as CCAA. Na Espanha, o vírus não entende territórios, mas se houver um único comando em Moncloa, ele obedece. Se houver um comando em Bilbao ou Santiago, não.

Tudo muito impraticável (efeitos da centralização da aquisição e compra, autorização dos testes do Instituto Carlos III de Madri, requisição de material que interrompe a cadeia produtiva,o cálculo de casos, as pessoas em zonas com menos afectação fechadas na casa, etc). Tudo muito simbólico e com consequências pràcticas para além da falta de proporcionalidade e sentido de culpabilidade e com sanções repetidas às mesmas pessoas,…Muita informação confusa e também algumas performances delirantes como dizer pela voz dum militar que ian processar pessoas que opinam contra a ação do governo. A sanção é mais importante do que se preocupar com a saúde das pessoas.E tudo para o nosso bem. Déjà vu.

Comments are closed.

off
A %d blogueros les gusta esto: