off
América, Movementos sociais, Politica internacional — 29 Outubro, 2018 at 01:20

O militar de extrema direita Jair Bolsonaro é o novo presidente do Brasil

por

O polêmico de admirador de ditadores diz em transmissão de vídeo ‘Vamos mudar o destino do Brasil’ e supera em mais de dez pontos Fernando Haddad, o sucessor de Lula da Silva


Um populista de extrema-direita, pró-armas e pró-torturas foi eleito o próximo presidente do Brasil depois de uma eleição cheia de drama e profundamente divisora ​​que parece destinada a reforçar radicalmente o futuro da quarta maior democracia do mundo. Jair Bolsonaro (PSL) venceu a segunda rodada das eleições presidenciais no Brasil e se tornará o trigésimo oitavo presidente do país. Segundo o Supremo Tribunal Eleitoral, Bolsonaro obteve 55,54% dos votos, com 94,67% dos votos examinados. Por outro lado, seu rival Fernando Haddad (PT) foi votado por 44,46% dos eleitores. O número de votos nulos e em branco foi próximo de 10%, um valor recorde. O número de votos nulos e em branco foi próximo de 10%, um valor recorde. Os dados são conclusivos: a extrema direita conquistou 97% das cidades mais ricas do país e a esquerda tradicional no 98% das populações com os menores índices de desenvolvimento. Os pobres, em sua maioria negros, são os que mais sofreram os cortes sociais do governo Temer e são mais relutantes ao discurso de ódio e ultraliberal do novo presidente.

A noite da eleição começou com um discurso no Facebook Live, dirigido a seus eleitores, no qual ele atacou a imprensa, e acabou enfrentando câmeras de televisão pedindo “reconciliação nacional” e prometendo que respeitaria as liberdades e que ele seria uma garantia do Constituição.O espetáculo do Presidente eleito incluiu as orações públicas de um pastor evangélico, o senador Magno Malta, que faz parte de seu núcleo de confiança, em um gesto que pode ser interpretado como um sinal de gratidão aos setores evangélicos mais reacionários que apoiaram em sua campanha eleitoral.

Jair Bolsonaro , conhecido por muitos como o “Trump do Brasil”, causou indignação na campanha eleitoral com declarações misóginas, racistas e homofóbicas. Ele também expressou repetidamente admiração pela ditadura militar de 1964 a 1985. É um ex-pára-quedista de 63 anos que construiu sua campanha em torno de promessas de acabar com a corrupção, o crime e uma suposta ameaça comunista, assegurou 55,1% dos votos depois que 99,9% foram contados e foi eleito o próximo presidente do Brasil. O ex-pára-quedista quer facilitar o acesso a armas, ocupar ministérios-chave com militares e possivelmente sair do Acordo de Mudança Climática de Paris.

O rival esquerdista de Bolsonaro, Fernando Haddad, garantiu 44,8% dos votos

A notícia desses resultados levou os aficionados de Bolsonaro para fora da sua casa à beira-mar, no oeste do Rio de Janeiro, em êxtase.“Isso é fenomenal. É um sentimento único ”, disse Rafael Gomes, um vendedor de 34 anos que estava entre as multidões. “Eu vejo um futuro melhor para meu filho, melhor saúde, educação e segurança, algo que não temos há anos”. No meio de uma atmosfera cada vez mais barulhenta, um grupo de rapazes pulou para cima e para baixo gritando: “Vá se foder, PT!” Massas de exultantes apoiantes de Bolsonaro reuniram-se na Avenida Paulista, uma das avenidas mais importantes de São Paulo, onde cantaram o hino nacional do país e dispararam fogos de artifício. Muitos fãs usavam as cores verde e amarela da bandeira nacional do Brasil, que se tornou a marca registrada do esforço do poder de Bolsonaro. “Eu me sinto tão feliz. O Brasil está acordando. Estamos saindo de um transe ”, disse Jordan Requena, uma estudante de 20 anos que estava entre as multidões.

“Pela primeira vez, teremos um presidente genuinamente de direita e temente a Deus”, disse Fernando Pereira, um estudante de fisioterapia de 40 anos, que comemorava quando fogos de artifício explodiram em torno dele.“Ele é o presidente pelo qual esperamos há tanto tempo.”

Mas o triunfo de Bolsonaro deixará muitos milhões de brasileiros progressistas profundamente perturbados e temerosos da tendência intolerante de direita que seu país provavelmente assumirá. A extrema direita conquistou o Brasil”, disse Celso Rocha de Barros, colunista político brasileiro, na noite da eleição da revista Piauí. “O Brasil agora tem um presidente mais extremista do que qualquer outro país democrático do mundo … não sabemos o que vai acontecer.” 

A rejeição do Partido Trabalhista, que governou desde a eleição de Lula em 2002 e até o impeachment de Dilma Rousseff, assumiu tais proporções no Brasil que os eleitores bem no centro político tudo em uma mudança no departamento até mesmo Bolsonaro, um político radical e intelectualmente medíocre, sem nenhuma experiência do governo.

Outros ingredientes intrinsecamente brasileiros, como a grave crise econômica e a crise institucional, precisam ser acrescentados, com as ramificações criminosas do caso da Petrobras, que eclodiu em 2014. Crise que dividiu o Partido dos Trabalhadores do ex-presidente Lula . Silva e Dilma Rousseff, ambos políticos que alcançaram um sucesso esmagador no início deste século 21, e que ajudam a entender a ascensão de um político com características ditatoriais como Bolsonaro. Mas a candidatura de Bolsonaro nunca teria sido coroada de sucesso se o Brasil não estivesse em profunda crise política de confiança

O diferencial brasileiro, o fato definitivo, responde ao nome de ‘Car Wash’. Refere-se à investigação da companhia petrolífera estatal Petrobras, que esconde uma teia de corrupção mais de cinco bilhões de dólares destinados para comprar vontades para atribuir dedo obras públicas em diferentes países da América do Sul. O caso contribuiu para a renúncia do presidente Rousseff em 2016, herdando uma política de Lula da Silva agora desclassificado de elegibilidade e preso por corrupção. Para o filósofo Michel Löwy o golpe “par­la­mentar” contra Dilma foi uma a farsa , em que uma qua­drilha de par­la­men­tares cor­ruptos afastou a pre­si­dente eleita, sob pretexto de “pe­da­ladas fis­cais”.

Em meio a essa atmosfera de corrupção, 50 milhões de eleitores brasileiros na última década tinha subido para a classe média dizem  nos inquéritos que nenhum partido  os representa, deixar para  o centro-esquerda, que tem sido o garante da grande consenso sobre direitos sociais e luta política pelo bem-estar da classe trabalhadora no último meio século, no Brasil e no mundo industrializado. Esse fracasso da centro-esquerda em consolidar suas maiorias degenera em expressões políticas como a de Bolsonaro, que brande um falso discurso de estabilidade, lei e ordem que atua entre camadas da população exaustas por ser o bode expiatório ou temerosas de voltar para um cenário de menos oportunidades econômicas. A crise econômica e o grande  escândalo de corrupção envolvendo a Petrobras impulsionou uma rejeição geral dos partidos e políticos tradicionais nos últimos anos, que se estende muito além do PT. Bolsonaro soube enfrentar a frustração e a raiva dos brasileiros e se vender como candidato contra o establishment seguindo o manual dos demagogos fascistas para levar a cabo a façanha da abolição da democracia através do apoio das massas contra o princípio democrático.. Reiteração constante e escassez de idéias são ingredientes indispensáveis.Ele pregou um discurso de extrema dureza para controlar a violência no país, que se tornou um problema premente para muitos brasileiros. Um bom criminoso, é um criminoso morto, é um velho slogan no Brasil, também representa Bolsonaro – e com ele metade de todos os brasileiros. O próprio Bolsonaro tornou-se vítima de violência durante a campanha eleitoral. Um homem confuso o feriu gravemente durante uma aparição de campanha com uma faca, que beneficiou Bolsonaro segundo os analistas.

# EleNão

Jair Bolsonaro é particularmente bem sucedido entre homens ricos e educados. Segundo as estatísticas, Jair Bolsonaro é particularmente bem sucedido entre homens ricos e educados. Aqueles que mais veementemente o rejeitam são mulheres pobres, incluindo muitos negros. O grupo dos indecisos também consiste principalmente de mulheres. No entanto, uma proporção significativa de mulheres brasileiras votou Bolsonaro.O grupo de Facebook “As mulheres unidas contra Bolsonaro” estava fora dos centros políticos na Bahia, no nordeste do país, por iniciativa de uma mulher negra que cresceu em um dos bairros mais pobres de Salvador. Enquanto isso, o site tem quase quatro milhões de membros. Sob a hashtag # EleNão centenas de milhares tomaram as ruas em 29 de setembro. Foi a maior manifestação organizada das mulheres na história do Brasil e a maior destas eleições.  Porém,as mulheres têm pouca representação na política brasileira, apesar do movimento hashtag # Primeiro assédio e as manifestações após o assassinato de Marielle Franco. Segundo a jornalista Eliane Brum “é impossível falar de “as mulheres” do Brasil. Seu grupo não é homogêneo. As tensões entre raça e classe são tão pronunciadas entre elas. As mulheres negras têm seus próprios problemas e sofrem muito mais com a violência do que com os brancos. Uma das principais razões para Bolsonaros sucesso,  tanto entre mulheres e homens, o medo da perda de privilégios”,afirma  para o Frankfurter Allgemeine Zeitung a jornalista Eliane Brum.

Seu grupo não é homogêneo. As tensões entre raça e classe são tão pronunciadas entre as mulheres. As mulheres negras têm seus próprios problemas e sofrem muito mais com a violência do que com os brancos. Uma razão fundamental para o sucesso de Bolsonaro, tanto entre mulheres quanto entre homens, é o medo de perder privilégios. Segundo Brum “o medo tem a ver com as poucas medidas políticas do partido de esquerda PT, que confundiram antigas relações de poder. O governo de  Lula da Silva foi conciliatório, ela não se atreveu a reivindicar a riqueza dos mais ricos. Os ricos ficaram ricos e os pobres ficaram, na melhor das hipóteses, menos pobres. Quase não houve mudanças estruturais. Algumas decisões políticas do PT, por sua vez, influenciaram os privilégios da classe média”.

E agora que?

Jair Bolsonaro fez grandes promessas para seu governo, mas ofereceu poucos detalhes.E em um país que emergiu do regime militar há apenas 33 anos, Bolsonaro suscitou preocupações com sua promessa de incluir generais aposentados em seu gabinete.Entre os ex-oficiais militares que desempenharam um papel central na elaboração de suas propostas de políticas estão os generais reformados Aléssio Ribeiro Souto – que tem foco em ciência, tecnologia e educação – e Oswaldo Ferreira, que elaborou planos de infraestrutura e da Amazônia.

O general Augusto Heleno, que dirigiu a missão das Nações Unidas do Brasil no Haiti , será seu ministro da Defesa e é visto por alguns como uma potencial força moderadora. Os três filhos legisladores de Bolsonaro – Eduardo, Carlos e Flávio – também devem ter papéis. Marcos Pontes, astronauta brasileiro, tem sido apontado como ministro da ciência e tecnologia.

As alianças de Bolsonaro com poderosos agronegócios, cristãos evangélicos e lobbies de armamentos lhe dão influência no Congresso, mas ele também se comprometeu a evitar ir ao regateio com partidos de apoio.O  programa de Bolsonaro prometeu “fazer os ajustes necessários para garantir o crescimento com baixa inflação e geração de empregos”.Há muito tempo estatista, ele se converteu à economia liberal e escolheu Paulo Guedes como seu ministro das finanças, um neoliberal com formação na Universidade de Chicago que foi co-fundador do banco de investimentos brasileiro BTG Pactual. Guedes defendeu a privatização de empresas estatais, a reforma do sistema de pensões carentes do Brasil e a manutenção de um limite de gastos de 20 anos. Mas no início deste mês, Bolsonaro vetou os planos de Guedes de privatizar a estatal Petrobras e a empresa de energia elétrica Eletrobrás. Embora a presença de Guedes tenha ajudado Bolsonaro a deixar para trás bancos e investidores, persistem dúvidas sobre sua capacidade de negociar a reforma previdenciária, que os investidores consideram crucial para resolver a crescente dívida pública do Brasil.

O dia de ontem foi marcado pelas declarações do economista Paulo Guedes na noite da eleição, que terá plenos poderes como super-ministro da Fazenda. “Nossa primeira prioridade é a reforma da Previdência Social, precisamos de uma mudança que nos permita reduzir privilégios e despesas, que é o nosso grande objetivo do programa econômico”, disse ele, ciente de que era uma demanda do mercado e dos empresários e que , em princípio, deveria ter realizado o governo de Michel Temer, mas que ele era incapaz de executar devido à sua fraqueza institucional e instabilidade por acusações de corrupção.Guedes reforçou a idéia de um grande plano de privatização que nos permitiria encarar “os US $ 100 bilhões em juros de dívida pública que o Estado paga anualmente”. Ao mesmo tempo, anunciou uma reforma tributária para impulsionar a economia e atrair investimentos estrangeiros. “Precisamos reduzir a maquinária pública, torná-la mais eficiente e menos burocrática, e temos que criar novas estruturas legais para atrair capitais para o nosso plano de infraestrutura”, disse ele.

Em um país que registrou 63.880 homicídios no ano passado , as propostas de segurança de Bolsonaro foram centrais em seu apelo e incluem castração química para estupradores, liberar o porte de armas e dar a impunidade da polícia para matar mais criminosos do que já fazem – 5.144 pessoas morreram de ações policiais.

Seu programa culpa o narcotráfico em cinco estados duramente atingidos, como o Rio, por governos esquerdistas e seus aliados – uma abordagem ideológica que oferece pouco em termos de soluções, disse Renato Lima, presidente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Propostas para mais investimentos em equipamentos, tecnologia e capacidade de investigação das forças policiais carecem de detalhes e, enquanto o manifesto de Bolsonaro diz que as forças armadas devem estar preparadas para combater a violência, ele não explica onde ou como.

Seu chefe de gabinete, Onyx Lorenzoni, e outros aliados desafiaram a evidência do aquecimento global.Bolsonaro fez campanha para combinar o Ministério do Meio Ambiente do Brasil com o Ministério da Agricultura – sob o controle dos aliados do lobby do agronegócio. Ele atacou agências ambientais  e defendeu a simplificação de licenças ambientais para projetos de desenvolvimento.”Temos um sério risco de ver o desmatamento explodir e aumentar a violência”, disse Marcio Astrini, diretor de políticas públicas do Greenpeace no Brasil.

Antonio Kvalo, que co-fundou o site Tem Local, que relata ataques homofóbicos, disse que a ascensão de Bolsonaro e seus comentários homofóbicos encorajaram ainda mais o preconceito.Os agressores que atacam as pessoas LGBT citam cada vez mais Bolsonaro ou em alguns casos até usavam seu nome em camisetas, disse ele, observando que a população LGBT sofreu altos níveis de violência no Brasil.


Talvez tamén estexa interesado en

Novelo de odios, aquén e alén Brasil

O golpe de estado xudicial é adicionado ao golpe de estado parlamentar no Brasil

Dilma Rousseff chama a combater na rua o “golpe de estado”

Deixar unha resposta

Ten que ser rexistrado para publicar un comentario.

off
A %d blogueros les gusta esto: