off
Incendios, Opinión, Portugal — 19 Xuño, 2017 at 23:08

A estrada de Pedrógrão

por Gabriel Beceiro

“O incendio de Portugal visto do drone”. “A estrada da morte em Portugal” . Assim intitularam os mídia e assim falavam na televisão.  E eu colado ao ecrã: um drone voando majestosamente a estrada  maldita. Nas bordas marchavam árvores carbonizadas e ainda perfeitamente alinhadas. No asfalto os corpos infelizes dos carros, tudo coberto de cinzas. Senti uma dissonância, um desconforto quase físico entre a estática aperfeição das fotos que o drone transmitia  e o horror que nada tinha a filmar, talvez porque era real. Talvez devido a associarmos a beleza desde o ar ao Google Earth ou as imagens  belas e assépticas de cartão-postal da terra vista do alto.  O fato é que o vôo silencioso do zangão , como o vôo sobre as ruínas do Nepal ou as cidades da Síria há alguns meses atrás, produz um contraste violento entre as maravilhas da tecnologia que olha o que acontece na dinâmica de aproximação e afastamento e a nossa incapacidade para agir. Usá-la, por exemplo, para algumas coisas não aconteçam.  Eis um olhar especial para não perder imagem ao transbordar os limites da percepção visual humana. Mas podem os extremos  levar o nosso olho à desfocalização, à distorção, ao não ver?. Distanciar-se cada vez mais para enxergar o todo em que tal detalhe estaria inserido ou alargar a profusão de detalhes e ocorrências da natureza que estão fora da nossa acuidade visual e do nosso conhecimento. Precisamos a “eficiência de olhar” para enxergar melhor?. A codificação numérica da captação digital sem necessidade de edição a se tornar a utopia. Baudrillard chama isso realidade demais. Acrescenta: a própria hiper-realidade é o crime. O crime perfeito que acaba negando a sua matriz realista. A fixação da nossa percepção  para o não-problematização.  Vemos que não víamos o que depois a câmera do drone nos prova que já estava ali. Estava?

 

Deixar unha resposta

— required *

— required *

off
%d bloggers like this: