off
América, Cinema, Feminismo — 9 Marzo, 2017 at 08:44

Aquarius, o filme brasileiro que ficou fora da disputa ao Oscar de 2017

por Redacción

O filme foi retaliado e o diretor acusou crítico da comissão de seleção do Oscar e a controversa decisão tomada pela comissão do Ministério da Cultura.  “Aquarius” é o primeiro trabalho de Sônia Braga no cinema brasileiro em quinze anos


aquarius_soniabraga

Era o Ministério da Cultura do Brasil que impediu  a Kleber Mendonça Filho participara nos Oscar com o filme Aquarius (traduzido como Doña Clara nos cinemas españois, que estreiam amanhã). Não só se afastou dos Oscar, mas foi classificado como impróprio para menores 18 anos após ser representante do Brasil em Cannes.

“Aquarius  é o mais prestigiado filme brasileiro por muitos anos, mas decidiu apresentar um filme quen ninguém tinha visto[“Pequeno Segredo”, de David Schurmann] e agora posso dizer que não ganhou nada, o que não é para sabotar o meu filme, mas a indústria cinematográfica no Brasil. E também é muito consistente com o que está acontecendo no país “, lamentou Kleber Mendonça Filho desde Barcelona.

Depois da estréia do filme no Festival de Cannes, onde quase um ano atrás, a equipe revelou ao mundo “um golpe de Estado no Brasil” pelo impeachment contra Dilma Rousseff, Aquarius  tem viajado pelos festivais de todo o mundo e se tornou um fenômeno no Brasil: “Havia 200 artigos na imprensa e a reação nos cinemas foi brutal. O filme se tornou um símbolo da fudida situação política e  um monumento à liberdade de pensamento e de opinião. Foi uma loucura “, diz o diretor.

“O que mais me preocupa é que vivemos em uma situação política brasileira em que tudo se inverte: agora o que é bom é mau e o mau é o que é visto como bom. E se você não concordar com o consenso geral que criou a política e os meios de comunicação é um alienígena, um criminoso, um comunista … “, diz Kleber Mendonça.

O posicionamento político de Kleber Mendonça tem muito a ver com o forte caráter  de Doña Clara. A  Sonia Braga  (“Tieta do Agreste”) interpreta uma jornalista de renome, uma mulher independente, animada viúva, em plena maturidade, que permanece como aderradeira inquilina de um lote de apartamentos confortáveis no mar no Recife. A empresa imobiliária tentou sair os outros proprietários para  construir um novo edificio, mas Dona Clara recusa deixar a casa onde  viveu toda a sua vida. Eu tinha testemunhado muitas demolições, diz o diretor, que já tinha abordado a questão em filmes anteriores. Assim que eu  ouvi dizer como construtores se aproximar as famílias. Eu pensei que seria uma boa história que o personagem diria que não. É muito estranho. Simplesmente não acontece, as pessoas aceitam o dinheiro. “

Dona Clara é sua forma de rebelião

Este é o miolo do filme: Dona Clara não abre a porta para sequer considerar a oferta, não sabendo que sua decisão vai virar contra os vizinhos e até os filhos, e começar uma praga de ataques contra ela,  queixas, sujeira e orgias no edifício. “Eu gosto dos conflitos de pequena escala, as tensões da vida, os momentos em que meu coração acelera.

Dona Clara não renuncia à sua casa, nem a sua feminilidade em uma vida cheia de amigos, família, sexo, nadar no mar, música, cercada por objetos que a têm acompanhado “mas sem cair em uma saudade doentia”. “Eu amo o pasado, objetos, o que eles significam. Acho o prédio e o apartamento da Clara como um sítio arqueológico, que não é importante para a sociedade nem poderia estar em um museu, mas é para as pessoas que viviam lá e nesta história “, afirma Mendonça.

A personagem é inspirada na mãe do diretor: “é uma projeção do que seria se você tivesse 65 ou 70 anos” – uma mulher forte e corajosa que tinha dois cânceres de mama que deixaram cicatrizes indeléveis. Dona Clara é por si só uma metáfora do tempo, um mundo que termina, a mudança de uma cidade, um país mudando nas últimas décadas.

 

Deixar unha resposta

— required *

— required *

off
%d bloggers like this: